Uma Viagem Pelo Swap Market da Fashion Revolution Portugal

By Daniela Guerreiro

2 weeks ago

Cada vez mais as pessoas se deslocam aos mercados de troca de roupa. Estes já não são eventos desconhecidos como eram outrora, talvez isto se justifique pelo facto de nos dias de hoje “estar na moda” seguir um estilo de vida mais sustentável. Seja por “estar na moda” ou não, o que é certo é que quem os frequenta reduz o seu impacto.

Mas que tipo de ambiente se encontra num Swap Market? Que tipo de roupas e em que estado aparecem? E mais importante, o que se faz à roupa que não “vai viver feliz a sua vida”? Estas são as questões que pretendo desenvolver a partir da minha experiência no Swap Market que a Fashion Revolution Portugal realizou no passado mês de Setembro.

Check In, Check Out – Que comece o Swap Market!

Swap Market no Selena Garden

Deixar, Ponderar e Levar são as três tarefas que ocorrem na mesa do Check In e Check Out. Deixar, esta é uma das tarefas dos participantes do mercado. Neste Swap Market a Fashion Revolution convidou os participantes a trazerem no máximo 10 peças de roupa, mas é nesta pequena tarefa que a situação se começa a complicar.

Alguns participantes demonstraram serem incapazes de trazer apenas 10 peças. Recordo-me de estar na mesa com a minha colega e de ver tanto uma senhora idosa mais a sua neta a chegarem com dois sacos cheios de roupa, como duas participantes a quererem deixar à força o seu número excessivo de peças.

Estas situações são exatamente aquelas que pretendemos evitar e as que mais nos assustam. Se os participantes trazem sacos cheios de roupa isso significa que quando estavam a selecioná-las não refletiram sobre cada uma delas. Não olharam para a história da peça, nem para a sua história em conjunto com a peça, simplesmente pegaram naquilo que já não queriam, que estava a encher o armário e levaram para o mercado, para que deste modo outras pessoas, neste caso a Fashion Revolution Portugal, resolvessem o problema.

Mas o propósito dos Swap Markets não é lidar com o volume imenso de roupas que as pessoas já não querem. O propósito é fazer com que as tuas roupas que estão em bom estado, e que já te fizeram feliz possam vir a ser reutilizadas e não desperdiçadas, e ainda fazerem outras pessoas felizes. Portanto, quando fores a um Swap Market leva apenas peças com qualidade igual àquela que gostarias de lá encontrar.

  • Não somos o caixote do lixo!

E isto leva-nos para a Ponderação, tarefa realizada pelos membros do Fashion Revolution Portugal. Neste mercado os participantes levaram uma enorme variedade de peças desde calças, vestidos,  saias,  camisolas,  casacos e até calçado e acessórios. Além disso, não houveram só roupas para o género feminino, desta vez fomos também brindadas com várias peças masculinas, mas claro que as “jóias da coroa” foram as relíquias vintage que uma avó trouxe (vestidos lindos, feitos à mão) e as peças da última estação de marcas de fast fashion. Portanto, como podes ver foi um mercado repleto de artigos interessantíssimos.

Voltando à Ponderação, quando as peças chegam à mesa do Check In cada uma delas é avaliada de modo a que só se possa encontrar nos charriots peças com qualidade. Parece uma tarefa fácil, certo? Mas não o é.

A minha colega analisou minuciosamente as peças para ver o nível de borboto, se tinha nódoas, se a cor estava desbotada, se os fechos funcionavam e tantos outros pormenores. Muitas vezes tinha de pesar o valor da peça pelo defeito que esta trazia. Recordo-me de uma participante dizer constantemente que uma t-shirt apesar de estar desbotada tinha que ser aceite por que tinha sido muito cara, ou de outra afirmar que uma nódoa saia facilmente com um produto específico. E claro, o trabalho da minha colega era redobrado quando ela tinha de ajudar quem levou mais do que 10 peças a escolher aquelas que estavam em melhor estado.

São inúmeras as histórias que os participantes contaram acerca das suas roupas durante esta tarefa, mas mais importante do que partilhar estas histórias é referir que é também durante esta tarefa que alguns participantes se tornam rudes, quando veem que alguma das suas peças é rejeitada. Muitos fazem má cara e referem que nós (Fashion Revolution) podemos ficar com a roupa e mandá-la fora porque eles já não a querem. Novamente, o propósito do Swap Market não é mandar roupa para o lixo, é fazer precisamente o oposto, é fazer com que as roupas durem o maior tempo possível. Se a tua peça já não está em condições, não a leves para o Swap Market, procura pelas soluções mais adequadas para o seu final de vida.

  • Competindo pela melhor peça

Após a ponderação as peças são aceites e são colocadas noutra mesa, para depois serem dispostas nos charriots, mas esta tarefa também não é fácil. Lembro-me de ver vários participantes a perscrutar as peças que estavam nessa mesa e de pedirem aos membros do Fashion Revolution, que estavam encarregues dessa tarefa, se lhes podiam dar algumas dessas peças. Às vezes era como se o Swap Market se torna-se numa competição na qual o vencedor era aquele que ficasse com o melhor “modelito”.

Passando ao Levar, esta é a tarefa em que as roupas vão “viver as suas vidas felizes”, como me disse a minha colega. Durante esta tarefa pude observar um caso muito interessante, diria até que foi de entreajuda,  uma vez que duas participantes, ao verem que uma terceira tinha excedido o número de peças que poderia levar, juntaram-se e entre si levaram as peças que a terceira queria para que deste modo esta as pudesse levar para casa. Porém, foi também aqui que percebi que raros são os participantes que levam para casa o mesmo número de peças que trouxeram, o que acaba por gerar um problema para quem organiza este tipo de eventos, na medida em que têm de lidar com o volume de roupa não adquirida.

  • O que acontece às roupas que não foram “viver as suas vidas felizes”

Foi rara a vez em que a minha colega teve de responder a esta pergunta, apenas duas pessoas quiseram saber o que aconteceria às peças não levadas.

Não sei qual é a conduta nos outros mercados, mas nos da Fashion Revolution Portugal algumas peças vão para instituições carenciadas selecionadas pela equipa, outras são guardadas para serem expostas noutros mercados de troca. As roupas que não foram levadas neste último mercado viajaram até ao Swap Market que organizámos no Parlamento Europeu.

  • O que fazer no próximo Swap?

Da próxima vez que fores a um Swap Market lembra-te:

  1. Traz apenas o número de peças que te pedem;
  2. Reflete sobre as peças que escolheste para levar;
  3. Observa se estão em condições de serem trocadas;
  4. Tenta levar o mesmo número de peças que trouxeste;
  5. E sobretudo, diverte-te!