Moda Circular: transformar descartes de outra indústria é colaborar?

By Fashion Revolution Brazil

4 weeks ago

por: Alice Beyer Schuch e Gabriela Machado André

A transição para uma economia onde produtos e materiais fluem em ciclo fechado amplia a nossa imaginação para o reuso dos resíduos. Nesse contexto, vemos soluções criativas mas outras pouco efetivas, e que na prática “enxugam o gelo” da geração irresponsável de descartes.  O e-book “Fibras e Materiais Rumo à Moda Circular” traz essa problematização, e compartilhamos um pouco aqui.

Talvez o exemplo de reuso em escala na Moda que mais ilustre a ausência do pensamento de design, ou de engenharia de final de ciclo – seja a transformação de garrafas PET em poliéster. Tema já bastante debatido, está associado à manutenção de um derivado fóssil, e à liberação de microplásticos na etapa de lavagem. E aqui levantamos a pergunta: tem a Moda que “colaborar” com a “limpeza” dos resíduos da indústria de embalagens? 

A simbiose industrial e o uso em cascata de recursos, onde o resíduo de um setor ou processo vira insumo para o outro, são ideias essenciais na Economia Circular.


O e-book “Fibras e Materiais Têxteis rumo à Moda Circular” está disponível gratuitamente aqui.

Mas nesse caso, o fluxo de garrafas para tecidos, apesar de aumentar o valor equivalente do produto inicial, vira um “problema em cascata”: gera uma matéria-prima com baixa qualidade (questão dos microplásticos, pouca respirabilidade, rápida aparência de desgaste, etc.), nível “zero” de assinatura vibracional (saiba mais no e-book!), baixa reciclabilidade e que talvez termine em uma montanha de lixo. 

Com uma estimativa de reciclar apenas cerca de 14% de sua produção*, a indústria de embalagens e produtos plásticos similares, tem muito espaço para investir em soluções “upstream”(olhando ciclo acima), e que ao menos, possibilitem a circulação fechada das garrafas. 

Um sistema em cascata valioso para a Moda, seria, por exemplo, uma linha descendente de uso de algodão orgânico monomaterial: o fio utilizado em camisetas pode seguir no ciclo para compor peças jeans, depois tricôs estruturados, lonas pesadas, até os feltros e enchimentos gerais. Depois, o material pode ainda voltar a ser uma fibra têxtil de qualidade, após um processo químico de reciclagem!


O e-book “Fibras e Materiais Têxteis rumo à Moda Circular” está disponível gratuitamente aqui.

Já experiências intersetoriais dentro de uma lógica verdadeiramente circular, serão bem-vindas. Como a startup Malai, que desenvolve um material biodegradável alternativo ao couro, à base de celulose bacteriana fermentada com água de coco residual da indústria indiana. Ou a fibra natural Agraloop, gerada com o processamento de sobras de cultivos alimentares e medicinais, incluindo cânhamo, linho, banana e abacaxi.

Soluções inventivas e em menor escala como essas, também estimulam uma diversidade de matérias-primas, ao invés de perpetuarmos “monoculturas” de materiais. Cascas de frutas, algas, urtiga, cogumelos…o futuro circular da moda tem isso e muito mais! 

Fonte: “The New Plastics Economy: Catalysing Action”, Fundação Ellen MacArthur. 

Alice é mestre em Moda Sustentável, atua no mercado da moda desde 2001, com foco na circularidade desde 2015. Linkedin.

Gabriela é jornalista especializada em Comunicação Ambiental e Marketing de Moda, e pesquisadora na fellow consulting. Linkedin.

Baixe o e-book aqui!🔗

🫱🏽‍🫲🏾Participe do evento de lançamento, no dia 04 de abril, às 19h, pelo Zoom. Será a oportunidade de você conhecer as autoras, compreender mais sobre o assunto e tirar as suas dúvidas! Link para inscrição🔗