A reutilização de resíduos sólidos na economia circular: estudo de caso no mercado calçadista

By Fashion Revolution

3 months ago

A sustentabilidade é uma diretriz essencial para empresas que buscam reduzir os impactos negativos das suas atividades na sociedade, no meio ambiente e na economia. Ações empresariais desenvolvidas a partir do conceito da economia circular são sustentáveis dado que o crescimento econômico está vinculado à conservação do meio ambiente e do bem-estar social. A reutilização de resíduos sólidos como matéria-prima para produção de novas mercadorias é uma ação que reduz o descarte de material no meio ambiente e gera economia através do reuso de insumos no processo manufatureiro. 

Na indústria de calçados, a adoção de ações de desenvolvimento sustentável é particularmente pertinente já que seu produto possui um relevante impacto negativo no meio ambiente, especialmente pelo emprego de produtos químicos no processo produtivo – tais como o cromo que em algumas formas é cancerígeno e causa danos diversos aos trabalhadores e ao meio ambiente. Soma-se a isso a aplicação de chumbo e plástico nos solados de borrachas convencionais, ademais temos um grande produto híbrido causador de consideráveis danos ambientais ao ser descartado. O Brasil foi o quarto maior produtor mundial de calçados em 2016, ficando atrás da China, Índia e Vietnã. Em 2018, foi estipulado em 22,3 bilhões a produção de pares de calçados no mundo, sendo 20,4 bilhões destes pares absorvidos pelo consumo mundial, resultando em uma média de 2,7 pares per capita. (ABICALÇADOS, 2019) Essas informações revelam o tamanho e a importância da indústria calçadista na economia, assim como o seu potencial para gerar relevantes impactos negativos ambientais.

A fabricação de um calçado pode conter até 40 diferentes tipos de materiais em sua composição. Entre eles é possível encontrar plástico, têxteis, metal, couro, espuma, PVC, borracha, entre outros, tendo cada material características específicas. Os resíduos gerados no processo produtivo são: refugadas, pedaços de tecido e couros. Além destes, a fabricação de calçados pode gerar resíduos como plástico, restos de metais, aparas de couro, aparas de borracha, aparas de espumas de látex, papelão, aparas de tecidos sintéticos, papel, estopas contaminadas com produtos químicos, PU e EVA, aparas de tecidos, aparas de contrafortes e couraças, fiapos de linhas e restos de adesivos, pregos taxas e pincéis sujos, portanto há uma ampla variedade de resíduos sólidos resultantes do seu processo produtivo. No quesito de segmentação, a produção de chinelos corresponde à 46,8% da indústria nacional, os modelos casuais e sociais representam 41,9%, Já o segmento esportivo configura 7,3% da produção. Segundo estudos feitos em 2017, os principais materiais predominantemente utilizados na produção de calçados são plástico/borracha (52,3%), laminado sintético (25,6%), couro (18,1%) e têxtil (3.1%). (ABICALÇADOS, 2019). 

 

 

Foto: QD – Carlos A. Silva

A empresa que reutiliza resíduos como matéria-prima reduz o número de materiais descartados e minimiza o seu impacto negativo ambiental. Essa estratégia está alinhada com o conceito de economia circular – que é definida como um sistema que contribui com as três dimensões da sustentabilidade, minimizando o impacto negativo ambiental causado pela empresa. A reutilização de materiais são elementos fundamentais na economia circular. A economia circular propõe a criação de processos industriais baseados em atividades que reduzam, reutilizam ou reciclam materiais ao longo dos processos de produção, distribuição e consumo, minimizando o descarte de resíduos e contribuindo para a diminuição dos impactos negativos ao meio ambiente.  A implantação da economia circular deve priorizar a redução do uso de recursos pela empresa, caso contrário as práticas implementadas podem gerar um modelo de negócio insustentável.

A remanufatura possibilita a criação de novos produtos a partir da reutilização de resíduos no processo produtivo. O produto remanufaturado é criado a partir da combinação de novos componentes com peças reutilizadas. O processo de remanufatura pode reduzir custos de matéria-prima visto que ele utiliza resíduos que seriam descartados como insumo. Dessa forma além da diminuição do impacto ambiental a reutilização de resíduos sólidos no processo produtivo gera economia de gastos. Em se tratando das dificuldades para implementação do processo remanufatureiro, destaca-se a manutenção de fornecedores de resíduos, dado que esse ponto também foi sinalizado pelo estudo de caso como uma barreira para adoção da reutilização de resíduos como matéria-prima. Dentre as oportunidades identificadas na literatura é possível concluir que a economia é um benefício recorrente em diversas situações no processo de remanufatura.

 

Estudo de caso

As empresas analisadas neste estudo de caso serão denominadas de empresa “A” e empresa “B”, respeitando a ética acadêmica as mantendo em sigilo para preservação de suas integridades. A empresa “A” atua a cerca de 3 anos na fabricação de calçados remanufaturados e produz mensalmente aproximadamente mil pares de calçados. Em média, são absorvidas como matéria prima cerca de 300kg de resíduos sólidos que seriam descartados no meio ambiente. O material utilizado é a borracha empregada na indústria de terceiros e recebe um novo destino sendo utilizada na sola do calçado. A empresa estima que, em média, o solado representa 30% da composição dos seus calçados. Já a empresa ”B” atua no mercado por volta de 2 anos e também produz cerca de mil pares de calçados por mês. O resíduo utilizado no seu processo remanufatureiro é o couro proveniente de outras indústrias calçadistas e curtumes da região onde atual. Em média, são reutilizados 250m2 de couro empregados na cabedal e forro, representando aproximados 70% da composição dos calçados.

A produção do calçado remanufaturado também gera resíduos como sobras de couro e retalhos de borracha; no geral esses resíduos são destinados à aterros e a empresa “B” afirmou que é esse o destino dos seus resíduos. A empresa “A”, em contrapartida, afirma que planeja sua produção desde a etapa do design com o objetivo de reduzir a geração dos resíduos no processo produtivo. Além disso, destina seus resíduos de borracha para usinagem, onde estes se transformam em novos materiais conforme propõe os conceitos da economia circular. Foi destacado que a falta de fornecedores de resíduos sólidos é um desafio para a manutenção do processo de produção de calçados remanufaturados, desta forma, este assunto deve ser difundido para que seja possível criar uma rede de fornecedores de resíduos, já que há abundância de resíduos sólidos sendo descartados todos os dias pelas indústrias de diversos setores. Foi possível identificar que os resíduos utilizados pela empresa “A” também poderiam ser utilizados pela empresa “B”, e vice e versa. Assim, os benefícios da remanufatura seriam potencializados e o calçado poderia apresentar uma maior parcela de sua composição formada por resíduos sólidos.

 

Conclusões

A fabricação de calçados pode ser feita com até 40 diferentes tipos de materiais, tais como plástico, têxteis, metal, couro, espuma, PVC, borracha, entre outros. Cada material tem características específicas e geram resíduos distintos ao longo dos processos produtivos, dessa forma a produção de calçados possui um grande potencial para gerar uma ampla variedade de resíduos sólidos perigosos ao meio ambiente. Tendo em vista que o Brasil é um dos maiores produtores de calçados no mundo é extremamente importante entender quais resíduos sólidos são gerados pelas empresas e como podemos reutilizá-los. Com base nos estudos de caso apresentados podemos perceber que o aterro ainda é uma opção de descarte de resíduos mesmo para as empresas que fabricam produtos remanufaturados. Além disso, podemos perceber que as empresas não exploram todas as oportunidades de utilização de resíduos sólido, já que se limitam a utilização exclusiva de um tipo de material para aplicação em partes diferentes da composição do produto. Dessa forma existe a possibilidade das empresas complementarem os processos produtivos fazendo um calçado com maior percentual de resíduos sólidos na sua constituição. O trabalho também listou oportunidades e desafios relacionados à reutilização de resíduos sólidos como matéria-prima, que podem ser vistas na tabela abaixo. 

Fonte: Elaboração própria

A reutilização de resíduos como matéria-prima para a fabricação de calçados oferece oportunidades e desafios para as empresas, mas é uma importante ferramenta para minimizar o impacto ambiental causado por um produto que possui diversos materiais em sua composição. Na medida em que reutilizamos resíduos estamos minimizando o impacto ambiental que seria causado com o seu descarte, por isso as empresas que implementam esse processo podem obter desenvolvimento sustentável alinhado as expectativas da economia circular. 

 

Autores:

Felipe Bastos dos Reis; Programa de Pós-Graduação em Administração – USP 

Palloma Renny B. Fernandes; Pós-Graduação em Design de Calçados – IED-SP