A Semana Fashion Revolution 2021 está chegando e agora é hora de revolução na moda!

By Fashion Revolution Brazil

4 months ago

Pelo segundo ano em uma semana 100% digital, vamos somar nossas vozes e nos unirmos para perguntar #QuemFezMinhasRoupas, em busca de uma moda limpa, justa e transparente. Mais uma vez também vamos questionar como estão amparados os trabalhadores e trabalhadoras do vestuário em meio a crise causada pela pandemia de coronavírus.

Direitos, Relacionamentos e Revolução

Vamos nos conectar uns com os outros, com o planeta e ainda mais com nós mesmos. Juntos, fazemos parte de algo muito maior que pode revolucionar a forma como nos relacionamos com as pessoas da cadeia produtiva da moda e a Natureza, para assim então alcançar a saúde, o bem-estar e a prosperidade. Se o meio ambiente não estiver saudável, nós também não estaremos. Por isso, pensar em direitos, relacionamentos e revolução sistêmica é o caminho que iremos trilhar.

Direitos: Trabalhadores e trabalhadoras da moda ainda não têm seus direitos fundamentais garantidos, e com cada vez mais trabalhos informais e terceirizados, suas condições tornam-se mais precárias e fragmentadas.

Além disso, a Natureza é vista como uma mercadoria negociada em fragmentos em mercados financeiros, e não como um núcleo vivo dotado de direitos e dinâmicas particulares e intransferíveis. No Brasil, entre 2016 e 2018, a cada cinco trabalhadores resgatados em situação análoga à escravidão, quatro eram negros (Repórter Brasil via SIT).

A natureza tem seus próprios direitos. Os Direitos da Natureza precisam ser reconhecidos e os Direitos Humanos garantidos para todos.

Relacionamentos: A forma como nos relacionamos com a Natureza, com as pessoas e com nós mesmos, ainda é fragilizada e marcada por problemas que a moda ajuda a sustentar, como falta de empatia, exploração e padrões. Somos afastados dos processos e pouco nos relacionamos ou conhecemos quem faz nossas roupas todos os dias. O Brasil é o quarto maior produtor de roupas do mundo, gerando 8 milhões de empregos diretos e indiretos – 75% da mão de obra é composta por mulheres (ABIT).

Vamos perguntas “Quem fez minhas roupas” na perspectiva de gênero e raça, compreender que os impactos na Natureza afetam a saúde humana, caminhar no sentido do resgate de ancestralidade e perceber o colonialismo estruturante dos nossos relacionamentos.

Revolução: Compreender que a moda precisa de mudanças profundas e sistêmicas é crucial se queremos, de fato, transformá-la. Em média um CEO da indústria da moda recebe em 4 dias de trabalho o mesmo valor que uma trabalhadora em Bangladesh recebem durante vida inteira (OXFAM). Precisamos de mudanças radicais para problemas radicais e isso requer uma revolução em nossa forma de pensar, consumir e produzir. Várias revoluções que representaram a locomotiva da história foram protagonizadas por trabalhadoras da indústria têxtil e da moda – e precisamos resgatar o protagonismo da classe trabalhadora.

O modelo econômico vigente é baseado em uma lógica linear de superprodução, consumismo e descarte. Precisamos reconhecer e fomentar alternativas e outros modelos econômicos.

Como participar

Veja algumas formas de envolver-se com a revolução da moda:

Pergunte #QuemFezMinhasRoupas para marcas e varejistas: procure saber como os trabalhadores da indústria estão amparados neste momento de crise em termos de salários, condições de trabalho e acesso à saúde;

Pergunte #DoQueSãoFeitasMinhasRoupas: saiba qual a matéria prima utilizada nas roupas que você veste, de onde ela vêm, como são produzidas e se a marca conhece a história dos trabalhadores envolvidos em seus processos;

Escreva para uma marca: use as redes sociais para se comunicar com as marcas e questionar sobre como estão cuidando dos trabalhadores e fornecedores, sobre os seus impactos no meio ambiente e sobre a transparência de dados a respeito das suas responsabilidades com as pessoas e a Natureza;

Responda #EuFizSuasRoupas: se você é um trabalhador da indústria do vestuário, compartilhe sua história com a gente respondendo #EuFizSuasRoupas!

Participe de um evento: incentive, acompanhe, e compartilhe a programação de atividades de 19 a 25 de abril, organizada no Brasil e no mundo por representantes, estudantes, docentes, marcas! Vamos reunir todos os revolucionários da moda! Baixe os materiais da Semana Fashion Revolution 2021.